PARCERIAS INCLUSIVAS, MULTI INSTITUCIONAIS E GOVERNANÇA PARTICIPATIVA (PAINEL DE ALTO NÍVEL)

PARCERIAS INCLUSIVAS, MULTI INSTITUCIONAIS E GOVERNANÇA PARTICIPATIVA

(PAINEL DE ALTO NÍVEL)

 

Contextualização

A sessão apresentou reflexões e contribuições para a participação de todos os setores da sociedade na governança da água. Um dos principais desafios é a inclusão de setores que historicamente foram excluídos desse processo, como mulheres, jovens, comunidades indígenas e tradicionais, entre outros, os quais geralmente não são consultados nos processos decisórios até as políticas estarem formuladas.. Existe uma grande necessidade de uma governança participativa, que aborde as questões sociais e econômicas de maneira salutar, para que a população esteja envolvida nos processos de tomada de decisão e formulação de políticas de água. O desafio de aliar desenvolvimento econômico dos recursos hídricos e proteção da biodiversidade e dos ecossistemas através da gestão da água. A falta de integração entre os setores é um retrocesso, uma vez que os diálogos acontecem internamente nos diferentes setores. Mudanças concretas são necessárias para o desenvolvimento sustentável relacionado à gestão integrada de águas, uma vez que a demanda está em crescimento e a oferta está estável ou diminuindo. Uma das principais limitações para a participação dos jovens são os recursos financeiros. Um outro ponto de destaque importante é que as populações vulneráveis são geralmente consultadas após a formulação de avisos públicos, não participando dos processos de tomada de decisão e são os mais afetados por essas questões.

Recomendações

A tecnologia não é suficiente para resolver as questões relacionadas à água, assim, as grandes recomendações são: governança descentralizada, exigindo comunicação eficiente em todos os níveis; transparência total e real, incluindo todos os cidadãos na preparação da política da água; valorização da água não apenas como recurso econômico, mas também para a manutenção da vida de todos os seres na Terra, onde seu valor só pode ser estabelecido com a participação de todos os cidadãos.

Conclusões

Conclui-se que parcerias multi-institucionais são alavancas essenciais para uma gestão bem sucedida e para o progresso, devendo envolver um processo de inclusão. A comunicação e o desenvolvimento de capacidades dos atores participantes, com enfoque nos cidadãos, é necessária, assim como a avaliação da representatividade e equidade de gênero, juventude, comunidades tradicionais, indústria e comércio e governos. Deve-se mudar o horizonte de significado, fomentar processo de disseminação e engajamento em uma cultura de cuidado com a água.

COORDENAÇÃO
RICARDO BURG MLYNARZ – BRASIL
IMAN ABD EL AL – LIBANO

RELATORES
FABIANA DE SOUZA PEREIRA – BRASIL

PAINELISTAS
LOIC FAUCHON – FRANÇA
LUPÉRCIO ZIROLDO – BRASIL
OYUN SANJAASUREN – MONGOLIA
USMONALI USMONZOLA – TAJIQUISTÃO
MERCEDES CASTRO – PERU
ASMA BACKHIR – MARROCOS
OHN WINN – MYANMAR
MIRIAM DUAILIB – BRASIL

Facebook