SALA DE DIÁLOGO – ÁGUAS EM MOVIMENTO

SALA DE DIÁLOGO

ÁGUAS EM MOVIMENTO

 

Outro grande ponto de integração e compartilhamento entre os participantes dentro da programação do Processo FÓRUM CIDADÃO nas atividades do 8º Fórum Mundial da Água realizadas dentro da Vila Cidadã ocorreu em uma grande Sala de Vidro instalada naquele espaço, que abrigou intensa troca de saberes entre diversos atores e segmentos, abrangendo pessoas vindas de todas as partes do mundo.

Esta ampla Sala de Vidro denominada Sala de Diálogos “Águas em Movimento”, desde o primeiro dia, foi preenchida por variadas discussões em torno da água. O intercâmbio de experiências relacionado aos recursos hídricos, através de Oficinas e Rodas abertas de diálogo, foi promovido por mulheres, jovens, representantes da esfera pública, organizações não governamentais, professores, entre outros.

A diversidade das propostas oferecidas fez com que a Sala de Diálogo alcançasse um nível de discussão elevado para vários públicos, transformando-se num ambiente de harmonia e sintonia com os princípios cidadãos de cuidar da água.

As atividades proporcionadas neste espaço diferenciado, que contribuiu para a sistematização dos princípios do Processo FÓRUM CIDADÃO que resultaram do 8º Fórum, teve como destaque:

  • Encontro de 70 lideranças jovens de diferentes países do mundo, como Peru, Paraguai, Colômbia, Líbano Nicarágua, Honduras, Itália, Japão e Cazaquistão.
  • Encontro do Fórum da Juventude que se reuniu para identificar as prioridades para este grupo e para dividir visões estratégicas que estiveram presentes durante o maior evento de água do mundo. Neste tocante, o FÓRUM CIDADÃO teve um importante papel em mobilizar os jovens e repassar mensagens prioritárias usadas durante todo o evento. Os jovens também facilitaram diálogos intergeracionais entre cientistas, tomadores de decisão e jovens lideranças profissionais na temática da água. O resultado foi um legado da juventude que será incluído no desfecho do Processo Cidadão para o 9º Fórum Mundial da Água que se realizará no Senegal em 2021.
  • A oficina DIÁLOGO: CONNECT 12 (Conecta Doze) realizou a troca de experiências entre alunos de diversos países com o tema: “Percepção dos alunos em relação à participação na gestão da água na sua cidade/país”. Alunos do Parque de Inovação e Sustentabilidade do Ambiente Construído (PISAC) em parceria com o Centro Internacional de Água e Interdisciplinaridade (CIRAT) se conectaram com alunos de Universidades Inglesas e 12 alunos do IHE Delft da Holanda para debater o assunto. Ao final foi realizada uma presentação de como os estudantes podem se engajar em redes internacionais de mobilização de jovens pela água, e que a missão é de todos os jovens quando se trata do cuidado das águas no mundo.
  • Oficina promovida pela Agência Nacional de Águas (ANA) com o objetivo de oportunizar a veiculação e intercâmbio de experiências tocante a conservação e uso consciente da água premiadas no âmbito da 10° Edição do Prêmio Professores do Brasil 2017. O Prêmio foi uma iniciativa do Ministério da Educação juntamente com instituições parceiras, entre as quais a ANA. O objetivo foi buscar reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula.
  • Lançamento do livro: “A experiência do Projeto Produtor de Água na Bacia Hidrográfica do Ribeirão Pipiripau” que conta a história do trabalho de recuperação do importante manancial hídrico de Planaltina (DF) e retrata a vivência, em campo, dos executores do Projeto, serve como motivação para que outros produtores rurais se sintam instigados a aderir a metodologia de PSA e, sobretudo, a promover a melhoria da qualidade e da quantidade de água em mananciais.
  • Oficina com as Embaixadoras da Água: Mulheres de todo o mundo se uniram na Vila Cidadã para se tornarem Embaixadoras da Água. Sendo o problema da água universal e atingindo em sua maioria as mulheres, a Associação das Mulheres de Negócios- BPW Brasil, uma ONG de voluntárias, conduziu uma oficina de empoderamento às mulheres sobre o tema água. A oficina contou com dinâmicas vivenciais, palestras e roda de mulheres, abordando o tema água no âmbito e na perspectiva feminina. A oficina trouxe conhecimento retido de experiências individuais subjetivas que podiam ser moldadas em argila. A terapia ao mesmo tempo ajuda as pessoas a se relacionarem com a similaridade entre as mulheres e a água.
  • Oficina sobre Cultura e Água: A roda de conversa entre jovens tratou sobre a melhoria da qualidade de nossas relações com a natureza e as águas do mundo demanda uma profunda transformação econômico-ecológica e sociocultural. A oficina foi um espaço para reflexão, fomento e compartilhamento de projetos e ações sobre cultura e água.
  • Oficina Waterlution: Trouxe para a Vila Cidadã o modelo de Laboratório global de Inovação da Água e no Brasil. A estratégia bem-sucedida desenvolve habilidades de inovação e liderança em jovens líderes da água. A oficina foi uma oportunidade de aprendizado com os jovens sobre as empresas de água que querem criar e como querem colaborar.Oficina de Formação “Caminhos da Solução” promovida pela entidade ONG Engajamundo: A metodologia de jovens para jovens foi desenvolvida para todos se verem como parte da solução para os problemas que enfrentam em sua comunidade e propor ações concretas para solucioná-los. A formação foi baseada na temática da água, e consistiu no debate de um problema em comum e mecanismos de discussão na esfera individual, coletiva e política. Depois, foi jogado o Jogo da Solução, onde os jovens aprenderam ferramentas para pensar em soluções práticas.
  • Roda de Diálogo Rotary Club que trouxe debates de extrema importância sobre o tema, “Revitalizando o Rio Doce: mentes no conhecimento e mãos na terra”. Foi apresentada a proposta para a revitalização do Rio Doce por moradores da microbacia do município de Santo Antônio do Grama (MG), onde está localizada a microbacia do córrego Cantagalo, afluente do Rio Casca, um dos tributários do rio Doce. Com cores diferentes, o marrom representou a lama das mineradoras Samarco e Anglo, o verde lembrando o plantio que está sendo feito no presente promovido pelo Rotary junto a diversos parceiros e o azul indicando onde queremos chegar, num cenário de água em abundância novamente. A metodologia do Rotary, usando ferramentas próprias e tecnologias ambientais preconizadas pelo Centro de Estudos e Desenvolvimento Floresta do Instituto Estadual de Florestas (CEDEF-IEF), será divulgada a outros Rotary Clubs da bacia do Rio Doce, para promover ações semelhantes, de revitalização.
  • Oficina pelos Comitês de Bacia Hidrográficas do Brasil que estiveram presentes fazendo Intercâmbio de ‘Experiências entre Organismos de Bacia Hidrográfica’ e na sequência apresentação do ‘Encontro do Fórum Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas’.
  • Oficina Práticas Sustentáveis, novo projeto em Brasília da primeira Comunidade que Sustenta a Cosmetologia Natural (CSCN) que proporcionou uma vivência aos curiosos que desejam cuidar do nosso planeta consumindo menos produtos e cosméticos químicos.
  • Workshop “Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, mais especificamente o ODS 6, foram tratados pelo Workshop do Programa Gaia Education. Esse workshop foi desenvolvido pela organização em parceria com a UNESCO. Ele é um treinamento para formar multiplicadores capazes de atuar na implantação dos ODS nas comunidades. Como o tema do Fórum era a Água, foi dado um foco especial no ODS 6 que está formulado como “Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos.” Considerando que os ODS estão todos relacionados, questionou-se sobre a relação entre o ODS 6 e os outros ODS, tentando mostrar que não basta cuidar apenas da Água para termos um ecossistema saudável. A visão holística dos ODS é fundamental para entendermos as raízes da crise ambiental-social-econômica.

Facebook