Uma estratégia de comunicação para mudanças sociais e comportamentais por meio de três práticas fundamentais e o uso adequado de serviços em quatro municípios do Departamento de Cochabamba

Uma estratégia de comunicação para mudanças sociais e comportamentais por meio de três práticas fundamentais e o uso adequado de serviços em quatro municípios do Departamento de Cochabamba

 

FUNDACIÓN SODIS

 

Organização: Fundación Sodis

 

Localização: BOLIVIA – quatro municípios do Departamento de Cochabamba

 

Descrição

Bolívia é o quarto país mais pobre da América Latina depois do Haiti, Honduras e Nicarágua. Pelo menos seis de 10 bolivianos vivem abaixo da linha de pobreza e quatro de 10 indivíduos vivem em situação de extrema pobreza. Isso significa que frequentemente não há acesso à água potável e instalações de saneamento básico. Além desta, práticas atuais de higiene significam um alto risco de doenças transmitidas pela água e altas taxas de mortalidade. Doenças respiratórias, principalmente pneumonia, diarreia e desnutrição ou uma combinação dos três, causam morte em sete a cada 10 crianças bolivianas. Em alguns municípios de Cochabamba, como Arque, Tacopaya, Bolívar e Sacabamba, a taxa de mortalidade de crianças com menos de cinco anos é superior à média nacional. As mulheres são particularmente confrontadas com problemas relacionados com a água, caracterizadas pela escassez, a poluição e as crescentes necessidades das famílias e da comunidade.

Por outro lado, a situação de pobreza e marginalização das mulheres está associada com a falta de educação e capacitação, constituindo uma barreira que as impedem de expressar seus problemas e expectativas em relação aos serviços de água, saneamento e higiene. Por esta razão, é necessário que as barreiras geradas ao longo de uma história de discriminação sejam superadas, esforçando-se para incorporar as mulheres como agentes ativas no seu próprio desenvolvimento e saúde, com uma perspectiva de gênero e interculturalidade. Em resposta a esta situação, surgiu a necessidade de desenvolver uma estratégia global para a promoção de Água Potável, Saneamento e Higiene (WASH) para integrar ações de promoção, participação, capacitação da comunidade e fortalecimento institucional, com uma forte ênfase em crianças em idade escolar e organizações de mulheres como sujeitos centrais dos processos de mudança a nível individual, familiar e comunitária, sem negligenciar a participação dos homens.

O objetivo do Projeto era aumentar o acesso à água potável, melhorar a higiene e saneamento nos municípios de Arque, Tacopaya, Bolívar e Sacabamba, em Cochabamba, por meio da participação e empoderamento da comunidade, com um enfoque de gênero e direitos para garantir uma mudança nas práticas de higiene (lavar as mãos com água e sabão), e consumo de água potável.

 

Metodologias de implementação

O processo metodológico é diferenciado para Escolas e a comunidade

Processo metodológico para escolas Socioprodutivas:​

Passo 1. Avaliação – Linha de Base: A comunidade educativa realiza a identificação de necessidades no âmbito educativo, analisa e prioriza as necessidades e realiza a avaliação dos conhecimentos e práticas dos estudantes, professores e pessoal administrativo.

Passo 2. Planejamento: A comunidade educativa elabora um Plano de Ação e seu orçamento para sua respectiva escola, o mesmo que é inscrito no POA do Governo Municipal.

Passo 3. Implementação: Este processo é baseado em 3 pilares: i) Educação-capacitação, ii) Organização das condições para tratamento de água na escola (Método sodis, clorado ou filtrado), lavagem das mãos (Produção de sabão e instalação de lavatórios), saneamento (Construção ou reforma dos banheiros para estudantes) e organização para o monitoramento com comitês da Água potável e pessoal docente; iii) Adoção das boas práticas.

Passo 4: Monitoramento: Através de instrumentos de “Automonitoramento em sala de aula”, o pessoal docente e o comitê do Água Potável, reportam as práticas de consumo de água potável, lavagem de mãos e uso adequado de banhos pelos estudantes, analisam os dados e tomam decisões.

 

Processo metodológico na comunidade

a) Reconhecimento Situacional, permite conhecer as atividades cotidianas da comunidade, a existência das organizações comunitárias de mulheres.

b) Seleção da Organização Comunitária de Mulheres (OCM): O Projeto, implementa-se através do OCM, porque é necessário reforçar as organizações que são um espaço natural para o desenvolvimento individual e porque é a base da sustentabilidade do projeto, já que os compromissos das organizações comprometem a suas associadas na execução das ações e podem seguir nesse processo ainda depois de terminado o projeto.

c) Autodiagnóstico. O autodiagnóstico contribui aos processos de afirmação pessoal e empoderamento das mulheres, promovendo o desenvolvimento de suas capacidades para refletir e priorizar problemas relacionados com água, higiene, saneamento e outros problemas de equidade de gênero, direitos e violência.

d) Elaboração e Execução de Projetos Comunitários. Os projetos comunitários são elaborados e implementados pelas organizações de mulheres, em coordenação com os atores chave (Governo autônomo municipal, autoridades locais, setor saúde e educação) e atores primários (Professores, estudantes, homens e mulheres).

e) Avaliação dos projetos comunitários, neste processo, as mulheres e os atores qualificam os resultados obtidos, através de instrumentos padronizados.

 

Mobilização de recursos

O primeiro ano do projeto é financiado pelo UNICEF, posteriormente, na sua fase de extensão (2013-2014-2015) foram utilizados recursos do Helvetas Swiss Intercooperation, recursos do Governo Municipal, que foi destinado à aquisição de material no local (Tubos de ventilação e cimento) para apoiar às famílias na autoconstrução de banheiros familiares, assim mesmo, as famílias ajudaram com mão de obra e material no local (Areia, pedra, madeira e mão de obra).​

Mobilização de recursos humanos:

O projeto contou com uma equipe básica de 4 técnicos especialistas em desenvolvimento comunitário, educação sanitária e infraestrutura sanitária. Essa equipe proporcionou assessoramento técnico às organizações de mulheres e estas por sua vez trabalharam com os seguintes atores:

Atores chave, constituídos pelo Governo Municipal (GAM), através da câmara de vereadores de desenvolvimento humano, Comitês de Água Potável, Direção Distrital de Educação e Direção Municipal da Rede de Saúde. A cooperação e articulação entre os atores chave, serão formalizadas através da liderança das organizações comunitárias de mulheres e do GAM.

Atores primários, participam do processo de implementação do projeto, que é coordenado pela organização comunitária de mulheres, com o apoio político dos atores chave e com o apoio técnico dos especialistas da Fundação SODIS. Esta equipe está formada pelos: técnicos da Unidade técnica Municipal que são peritos em água e saneamento e são pagos pelo GAM, pessoal de saúde e pessoal docente que são pagos pelo estado boliviano e voluntários da comunidade e da unidade educacional.

Atores secundários, que apoiam em momentos importantes do projeto como em convênios departamentais que proporcionam sustento aos convênios municipais, por exemplo, com saúde e educação.

 

Resultados obtidos

Após a implementação da estratégia de comunicação para a mudança social e comportamental para a promoção de três práticas fundamentais e uso adequado de serviços instalados dentro de quatro municípios do Departamento de Cochabamba (Bolívia) os resultados foram os seguintes:

Grupos de oito das mulheres implementaram um processo de autoavaliação junto a organizações da comunidade para identificar e priorizar as necessidades relacionadas com a disponibilidade de água potável, saneamento e higiene.

Oito organizações Comunitárias formadas por mulheres com projetos comunitários educacionais foram criadas para responder sobre o problema da água potável, saneamento e higiene priorizados na autoavaliação.

Oito projetos comunitários Educacionais foram implementados por organizações comunitárias formadas por mulheres, cujos fundos foram administrados e apresentados por elas.

Setenta comunidades com 194 (108%) líderes comunitários foram treinados em questões de gênero, direitos, autoestima, liderança, gestão, etc.

Do ponto de vista do conhecimento e práticas, alguns dos resultados obtidos foram os seguintes:

Tratamento de água para beber por meio do método de Desinfecção Solar da Água (SODIS, em inglês): linha de base de 33,6% e 89,5% na avaliação final.

Lavar as mãos (adultos), nas práticas das pessoas, nos três momentos-chave: linha de base 33,6% e 89,5% na avaliação final.

Práticas na utilização correta dos sanitários: linha de base de 21 % e 65 % na avaliação final.

Declaração de comunidades livres de defecação ao ar livre.

O projeto contribuiu para ações financeiras, técnicas e sociais para a promoção de práticas saudáveis de higiene sustentada, na medida em que conseguiu envolver diversos indivíduos nas comunidades do projeto, principalmente as autoridades locais de saúde. Estes indivíduos canalizaram as demandas das comunidades locais a nível municipal a fim de incorporá-las ao respectivo POA (Plano Operacional Anual) para a alocação adequada de recursos financeiros. Isso também contribuiu para a formação de um comitê de promoção de novas iniciativas da WASH no setor rural, o mesmo que se compromete a divulgar e socializar aprendizagem e experiência entre os membros da CODESAB (Comissão do Departamento de Saneamento Básico de Cochabamba) e outros atores institucionais.

Os resultados alcançados pelo projeto foram:

Resultado 1: Um plano participativo foi desenvolvido para a implementação do projeto “Higiene” com todas as partes interessadas.

Resultado 2: As Organizações de Mulheres da Comunidade identificaram e reforçaram as suas capacidades para a elaboração de projetos comunitários e definiram o início da implementação.

Resultado 3: As pessoas de 70 comunidades têm três comportamentos diferentes: i) lavam as mãos em momentos-chave (antes de comer, depois de usar o banheiro e antes de preparar alimentos); ii) consumo de água potável; e iii) eliminação adequada de dejetos.

Resultado 4: Declaração de ao menos 16 comunidades livres de defecação ao ar livre.

 

Lições aprendidas

Será considerado o uso do teste do Pathoscreen como um método singelo, prático e econômico para determinar o nível de contaminação fecal da água. Os resultados do Pathoscreen serão usados para sensibilizar às autoridades e a população em geral.

Adotasse-se o enfoque integral para a promoção do consumo de água potável e higiene, que requer ações prévias de advocacia, incidência política e de inclusão de orçamento no POA.

O GAM do SPBV, deverá estar focado no fortalecimento contínuo dos Comitês de Água Potável e Saneamento (CAPyS), como medida para assegurar a provisão de água para a adoção das práticas saudáveis.

A organização e/ou inclusão dos Comitês de Água Potável (CS) na estrutura dos governos escolar[1] na promoção e vigilância das práticas HASS na escola, é uma estratégia positiva, que deve ser baseada pelas autoridades do GAM e da educação.

A função dos docentes é crucial para a implementação nas escolas, por sua função de replicadores da metodologia em sala de aula.

No momento de discutir sobre currículo educativo deve ser levado em consideração que o desenvolvimento ou mudança curricular, é uma competência exclusiva do Ministério de Educação. Será enfatizado a inclusão de conteúdos transversais ou como disciplina para contar com o apoio da direção de educação.

Deve ser dado enfoque na geração de entradas (Costura, entre outros), no momento de trabalhar com mulheres, é necessária uma dimensão econômica para que seja mais sustentável.

O olhar para conseguir um trabalho sustentável com relação ao município, o trabalho deverá estar focado no âmbito intersetorial, com sinergias ente os setores (Saúde, educação, água e saneamento).

Facebook